ENERGIA SOLAR, Fundamentos e Comparativo entre Brasil e Alemanha.

Autores

  • Márcio Mendonça Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Resumo

Em 1972 ocorreu a primeira conferência ambiental, sediada em Estocolmo (capital sueca), reunindo 113 países, como resultado de uma série de preocupações com os efeitos causados pelo uso excessivo de recursos energéticos não renováveis e prejudiciais ao meio ambiente, dentre eles: combustíveis fósseis, sendo a sua queima causador das mudanças climáticas (afetando fauna, flora, nível dos mares, pesca, recifes, corais, dentre outros). Tendo em vista esses problemas uma fonte energética viável e com muito potencial tem crescido nos últimos anos: a energia solar. Esta, por sua vez, era utilizada, na antiguidade pelos gregos e romanos, para atividades mais simples, por exemplo, aquecer a água. Posteriormente em 1839, Edmund Becquerel, físico experimental, descobriu que duas placas de latão imersas em um líquido produzia uma corrente contínua quando expostas à luz. Essa célula fotovoltaica, todavia, produzia somente de 0,4 volts. Em 1954 Calvin Fuller e Gerald Pearson, ambos do laboratórios da Bell observaram que 4% de toda luz que incidente sobre os  retificadores era convertida em energia elétrica, posteriormente junto com outros colegas trabalharam na chamada Bateria Solar de Silício Bell (Bell Silicon Solar Baterry). No primeiro momento, devido a uma análise econômica, a energia gerada por painés solares foi declarada economicamente inviável, mas com o advento de dispositivos que baixo consumo e também pelo desenvolvimento de satélites, a criação de painéis solares economicamente viáveis ganhou impulso, inicialmente com seis células solares que forneciam 100 mW para o satélite Vanguard I em 1958 até nos dia atuais com a geração de 512 GW em todo o mundo, sendo aplicada em indústrias e em casas através de inversor de frequência, que convertem a corrente contínua ( gerada dos painéis) em corrente alternada (tensão de rede elétrica usual).Em vista o que já foi citado nos parágrafos anteriores, o sol se mostra uma fonte viável para aquisição de energia, assim sendo, o presente trabalho visa trazer informações a respeito da energia solar (energia obtida do sol), seu histórico, funcionamento, prós e contras e fazer um comparativo, como referência de estudo, sobre o uso da energia em países como a Alemanha e Brasil.

Biografia do Autor

Márcio Mendonça, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Possui graduação em Engenharia Eletrônica - Universidade de Lins (1993) e mestrado em Engenharia Industrial pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2003). Doutorado pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba (2011). Atualmente é professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Cornélio Procópio. Tem experiência na área de Engenharia Elétrica, com ênfase em Automação Eletrônica de Processos Elétricos e Industriais, atuando principalmente nos seguintes temas: visão computacional, sistemas inteligentes, em especial redes cognitivas dinâmicas aplicadas em controle, otimização, navegação autônoma, agentes autonomos e sistemas multi-agentes.

Referências

ABNT NBR 16690, Instalações elétricas de arranjos fotovoltaicos — Requisitos de projeto.

ABNT NBR 5410, Instalações elétricas de baixa tensão.

A Review on Solar Photovoltaics and Roof Top Application of It. – Pulok Ranjan Mohanta, Jigar Patel, Jayesh Bhuva, Misal Gandhi, 2015. Acesso em 09 de dez. de 2021.

COMO Funciona o Painel Solar Fotovoltaico (Placas Fotovoltaicas). In: PORTAL SOLAR, 2020. Disponível em: https://www.portalsolar.com.br/como-funciona-o-painel-solar-fotovoltaico.html. Acesso em: 09 de dez. 2021.

CRABTREE, G. W. Solar energy conversion . Physics Today , 2007. p. 6.

CUI, Yong et al. Organic photovoltaic cell with 17% efficiency and superior

processability. National Science Review, vol. 7, n. 7. p. 1239-1246. 2020.

FAHRENBRUCH, A.L.; BUBE, R.H. Fundamentals of Solar Cells. [S.I]: Academic Press Inc., 1983.

GTES – Grupo de Trabalho de Energia Solar. Manual de engenharia para sistemas fotovoltaicos. Rio de Janeiro, RJ, 2004.

JUNIOR, Lourenço et al. Células Solares Orgânicas, a Energia que Vem dos Polímeros. Revista Virtual de Química. 2020. Disponível em: < http://static.sites.sbq.org.br/rvq.sbq.org.br/pdf/v12n3a04.pdf >. Acesso em : 10 janeiro 2022.

LEVIN, Kelly. A diferença entre os impactos de um aquecimento de 1,5˚C ou 2˚C no planeta. WRI Brasil, 2019. Disponível em: https://wribrasil.org.br/pt/blog/2019/03/ diferenca-entre-os-impactos-de-um-aquecimento-de-15c-ou-2c-no-planeta. Acesso em: 13 de dez. 2021.

Pros and Cons of the Renewable Energy Application – Péter Kádár, 2014. Acesso em 09 de dez. de 2021.

RIBEIRO, W. C. A ordem ambiental internacional. 1. Ed. São Paulo: Contexto, 2001. 182 p.

RIVELLO, C. (s.d.). Potencial solar no Brasil. América do sol, 2017. Disponível em: https://americadosol.org/potencial-solar-no-brasil/#toggle-id-1. Acesso em: 09 de dez. 2021.

RUTER, G. Alemanha registra recorde de energia renovável. Deutsche Welle, 2019. Disponível em: https://www.dw.com/pt-br/alemanha-registra-recorde-de-energia-renov% C3%A1vel/a-47001526. Acesso em: 09 de dez. 2021.

SANTOS, A. D., & BATISTA, L. L. Critérios para o emprego de placas solares e propostas de instalações elétricas para escolas públicas do distrito federal. CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA – UniCEUB, Brasília, 2017. p. 14.

SINGER, Alisa. AR6 Climate Change 2021: The Physical Science Basis. IPCC, 2021. Disponível em: https://www.ipcc.ch/report/ar6/wg1/. Acesso em: 11 de dez. 2021.

SISTEMA Solar On Grid (Conectado à Rede). In: PORTAL SOLAR. Sistema Solar On Grid (Conectado à Rede). [S. l.], 2019. Disponível em: https://www.portalsolar.com.br/sistema-solar-conectado-a-rede-on-grid. Acesso em: 9 dez. 2021.

Downloads

Publicado

06/15/2022

Edição

Seção

Artigos Científicos